Singapura em 4 dias

Singapura em 4 dias

É possível conhecer Singapura em 4 dias? Sim! Fizemos um roteiro enxuto e com os principais pontos turísticos dessa cidade tão limpa, rica e cheia de história para contar.

Esse roteiro fez parte também do nosso roteiro de lua de mel e do nosso Natal.

Repleta de arranha-céus, jatinhos particulares e Rolls-Royces, Singapura é o quarto país mais rico do mundo. Apenas superado por Qatar, Luxemburgo e Macau, de acordo com o poder de compra de seus habitantes.

Conhecida como “A Pérola da Ásia”, Singapura possui apenas 5,6 milhões de habitantes. O Estado hoje é um dos maiores centros financeiros do mundo, o lugar que produz mais milionários e o mais caro de se viver.

Singapura já foi parte do Reino Unido, já foi ocupada pelo Japão, voltou a ser britânica e, junto com outros ex-territórios britânicos, formou a Malásia em 1963. Porém, em 1965 Singapura tornou-se 100% independente. 

Os idiomas oficiais são o inglês, o malaio, o mandarim e o tâmil.

A moeda é o dólar de Singapura (SGD), que tem cotação abaixo do valor do dólar americano. Existem casas de câmbio no aeroporto e também nos principais centros comerciais da cidade. Leve dólares americanos ou euros pois reais não são aceitos. Cartões de crédito são aceitos em praticamente todos os estabelecimentos.

E a grafia? Qual a forma correta de se escrever? Singapura ou Cingapura? Até 2016 podíamos escrever das 2 formas. Mas a forma correta agora é com “S”.

Brasileiros não precisam de visto para viagens de até 30 dias, apenas passaporte válido por mais 6 meses a partir da data de entrada em Singapura, passagem aérea de ida e volta, certificado internacional de vacinação contra febre amarela e recursos financeiros suficientes.

primeira impressão é a que fica? Pois bem, chegando em Singapura pelo Changii Airport, prepare-se para conhecer um dos melhores e mais modernos aeroportos da sua vida!! (Se não for o melhor aeroporto que você já passou, certamente estará entre eles).

Principalmente se sua chegada se der pelo terminal 2 ou 3. Este aeroporto além de sinônimo de eficiência, é um jardim com direito à um borboletário e até mesmo piscina.

Quando chegamos naquele aeroporto gigantesco pela primeira vez, não sabíamos tudo que nos aguardava, havíamos visto apenas algumas fotos dos principais pontos turísticos. Porém, o aeroporto com um jardim e uma fonte enorme dentro já nos encantou de primeira.

É difícil olhar para todos os pontos turísticos de Singapura e pensar que esse destino se tornou essa potência super desenvolvida em apenas 50 anos.

Hoje em dia, Singapura também é bastante famosa pela maravilhosa piscina de borda infinita do hotel Marina Bay Sands.

Ficamos hospedados no Marina e amamos! Tudo lá é bem moderninho…

O hotel é famoso por sua arquitetura e ousadia onde a piscina de borda infinita une as torres lá em cima em forma de barco. São 3 torres com 207 metros de altura e 55 andares cada. São 2.561 quartos9.500 funcionários, 7 restaurantes no hotel, e mais 53 restaurantes, Cassino e teatro no complexo do empreendimento.

Os quartos são bem aconchegantes e utilitários onde você abre a porta e a cortina já abre automaticamente e as luzes já se acendem. Demais, né?

No rooftop do hotel tem o Skydeck que pode ser visitado por passantes também. É um observatório suspenso ao ar livre que tem a visão de 360 graus para a cidade. Se você quiser, pode ficar no bar ou no Restaurante Celavi.

Porém, para entrar na piscina do Marina Bay Sands é necessário que seja hóspede! E não tem negociação! A entrada é com a chave do quarto por um elevador que só hóspede acessa e com seguranças de olho vivo na galera!

E bota galera nisso! Pois, o hotel apesar de custar caro (mínimo US$300 a diária, ou seja, mais do que MIL REAIS), é absurdamente cheio. Na área da piscina a concorrência por cadeiras é alta! Mas nada que não dê para conseguir um espacinho.

Tirar foto na borda da piscina sem o coleguinha aparecer é uma tarefa difícil, porém não impossível!!!

Com paciência você consegue uma foto “sozinha” na piscina das selfies (eu e Gabriel assim apelidamos). E cá pra nós vale a pena, né? Que vista incrível da cidade!

O hotel também possui uma escada rolante que já cai dentro do shopping. Demais, né?

Durante suas visitas aos pontos turísticos tente usar ao máximo o excelente sistema de transporte público de Singapura. Como talvez você já tenha ouvido falar o Transporte público de Singapura é extremamente eficiente, limpo e organizado.

Um ponto forte do metrô de Singapura: a distância entre as estações é pequena e você nunca vai precisar caminhar muito para encontrar uma.

Para completar, tudo é muito bem sinalizado e as saídas têm placas enormes indicando as principais referências em cada uma delas. É praticamente impossível pegar uma saída errada!

A limpeza dos metrôs é impecável. Isso porque Singapura tem uma política de multas altas para quem come, bebe ou fuma no transporte público.

Chinatown

O bairro de Singapura que tem total influência chinesa.

Cerca de 70% da população de Singapura é descendente de chineses.

Esse bairro é um paraíso para compra de coisas baratas importadas da china, porém o que deixa o bairro ainda mais interessante é prestar atenção aos seus elementos históricos e principalmente a sua arquitetura e seus templos.

Na pagoda street encontram-se diversas lojas de artesanato e produtos típicos chineses, ali perto na Smith Street e Trengganu Street a noite é o point da gastronomia. No início do ano na véspera do Ano Novo Chines o lugar fica ainda mais interessante.

Entramos no maior templo budista de Singapura (Buddha Tooth Relic Temple and Museum) e nos encantamos com todos os detalhes e a riqueza histórica do local.

Buddha Tooth Relic Temple é um grandioso e belíssimo espaço onde há também um museu e você pode conhecer mais sobre a sua história, sendo inaugurado em 2007. Foi construído para abrigar uma relíquia do Buda em forma de dente.

Feito em Tang-styled, custou 75 milhões de dólares de Singapura e baseia-se nos elementos da Tang Dynasty e da Buddhist Mandala, que é uma representação do universo budista.

O seu horário de funcionamento é de 7:00 às 19:00, com entrada gratuita. Porém, é preciso estar com calças ou saias que vão pelo menos até o joelho, e estar com os ombros cobertos. Se não estiver com a vestimenta adequada não tem problema, pois eles emprestam uns panos para você usar como saia ou para cobrir os ombros.

Buddha Tooth Relic está localizado em uma enorme estupa (construção budista para guardar relíquias) de 3,5 toneladas, feita com 420 quilos de ouro, dos quais 234 quilos foram doados por devotos.

A relíquia pode ser vista pelo público no 4º andar do templo. Porém, você irá vê-lo da área de visualização pública, pois apenas monges estão autorizados a entrar na câmara de relíquia.

Neste andar não é permitido tirar fotos e é preciso fazer silêncio, pois muitas pessoas vão ali para meditar.

Ao entrar no templo acendemos um incenso e fizemos nossas contribuições voluntárias. Acredita-se que o incenso é uma forma de purificação ao entrar no templo, onde ele é aceso acompanhado de uma oração e o seu pedido.

Adoramos conhecer esse bairro tão charmoso e cheio de cultura.

Little Índia

A Little Índia é um bairro indiano e é possível degustar o melhor da culinária indiana. Lá você pode provar, inclusive, a samosa. Outra sugestão é o tradicional Teh Tarik, um chá com leite condensado original da Malásia, mas bastante consumido pelos indianos.

Apesar das opções de culinária indiana por lá preferimos não experimentar nada e focar nos lugares que gostaríamos de conhecer, como por exemplo, o “Mustafa Center” e o pequeno templo hindu Sri Mariamman.

O “Mustafa Center” é um shopping gigante, com vários andares e que fica aberto 24h com produtos de todos os tipos que você imaginar. Achei muito confuso e bem lotado. Não curti muito não. 

Confesso que fiquei um pouco decepcionada com a Little India. Esperava mais do lugar, mas como todos se referem a esse local como um ponto turístico, acabamos indo. Se você não tiver muito tempo, não precisa ir, não.

Inclusive, no nosso roteiro após a Little Índia conhecer a Arab Street que fica 15 minutos da Little Índia.

Mas a decepção foi tanta com a Little Índia que preferimos nem perder muito tempo indo lá.

Merlion

O Merlion é a identidade da cidade, é uma estátua com a cabeça de leão e o corpo de um peixe. O nome combina “mer” (mar) com “lion” (leão), remetendo tanto à origem do nome da cidade, quanto ao passado de Singapura, que já foi uma vila de pescadores.

Demos uma caminhada por lá e paramos para tirar umas fotinhos no chafariz símbolo da cidade.

Fomos na época do Natal e o calor estava bem tenso, porém falam que é a melhor época para ir, tendo em vista que não é a época do verão deles que muitas vezes marca em torno de 50 graus. Tem noção?

O roteiro do dia até dá para fazer outras programações a mais, mas muitas vezes preferíamos abrir mão para curtir a piscina do hotel e se refrescar do calor.

Gardens By The Bay

O parque mais conhecido em Singapura ou até mesmo do mundo tem 101 hectares e está localizado entre o mar e o hotel Marina Bay Sands. O empreendimento bilionário é mais do que um singelo jardim: é um parque futurista, que abriga atrações inovadoras, construções ousadas e que preza pelo uso consciente de energia.

Ande pelo subsolo do Marina Bay Sands e passe pela estação de metrô rumo ao Gardens By The Bay. Tudo é bem sinalizado, não precisa se preocupar.

Esse jardim botânico é uma área reservada que abriga jardins, exposições e enormes árvores psicodélicas que fazem com que você se sinta no filme Avatar.

Para fechar o roteiro do dia, assista ao show de luzes que é impressionante.

Horário | o show de luzes ocorre às 19h45 (confirme no site para garantir).

Endereço | 18 Marina Gardens Drive.

Além da enorme área verde que possui e que já seria suficiente para encantar muita gente, o parque tem diversas atrações, sendo as principais delas os conservatórios Flower Dome e Cloud Forest, que reproduzem climas de diferentes lugares do mundo, e as Supertrees Grove, que são árvores gigantes (com até 50 metros) construídas em metal, que têm um jardim vertical, produzem energia e ainda estão ligadas por passarelas suspensas em que os turistas podem caminhar! 

Como fomos conhecer na época do Natal o parque estava com programação especial de Natal. Foi bom por um lado e ruim por outro.

Bom porque a decoração e iluminação de Natal sempre é linda em qualquer ponto turístico, porém, foi um pouco ruim porque tinha muita gente no parque! Mesmo tendo ingressos de acordo com horários para cada show.

De qualquer forma o parque encanta a todos.

Da nossa janela do quarto sempre acompanhávamos as luzes das árvores psicodélicas.

Shoppings

hotel fica em cima do shopping Marina Bay Sands que faz parte do complexo. O shopping é enorme, com muitas marcas de grife. A única fast fashion mais conhecida é a Zara. Há uma 7-eleven que é bom pra comprar itens para o café da manhã, caso sua tarifa não esteja incluso o café e comidinhas rápidas.

E essa Veneza dentro do Shopping? A-M-E-I!!

Também há um cassino. O acesso é gratuito mas é preciso estar com seu passaporte que é conferido com cuidado.

Conhecemos também o teatro do complexo. Estava em cartaz a peça da Broadway “Cats” e aproveitamos para assistir.

Também conhecemos outro Shopping chamado Plaza Singapura, mas nada de diferente de outros shoppings comuns: várias lojas, praça de alimentação e casa de câmbio.

Jantamos nesse dia no Nana’s Green, eu gostei muito porque a comida não era tão exótica como em outros restaurantes.

Singapore Flyer

Deixamos para conhecer a maior roda-gigante do mundo no último dia, porém como já estávamos bem cansados e já tínhamos visto ela de longe, optamos por aproveitar um pouco o hotel e nossa lua de mel.

A maior roda-gigante do mundo tem 1m65cm de altura e em dias claros dá para avistar a Malásia e Indonésia lá de cima. Legal demais, né?

Hotel Marina Bay

Também separamos uma manhã e uma tarde para curtir a piscina mais famosa do mundo.

Ficar de boa na piscina e descansar as pernas para os próximos passeios.

Eu e meu bronze asiático. kkkkk

Lembrando que também optamos por passar a noite de Natal em um dos restaurantes do hotel, o LAVO.

Ambiente agradável, vista de tirar o fôlego, dj, boa comida, bons drinks e uma torta enorme e maravilhosa! 😍

Ah! E também teve queima de fogos.

Bem legal! Adoramos.

Singapura não é uma cidade barata nem para comer e nem para se locomover, mas vale cada centavo!! É uma excelente opção de parada se estiver indo para um outro destino da Ásia. A maioria dos turistas passam por lá indo ou voltando de algum outro país da Ásia, como por exemplo, Tailândia, Vietnã, Camboja, Dubai ou Filipinas.

Nós estávamos em Dubai (veja o post aqui), passamos por Singapura e depois de Singapura fomos para Tailândia (veja o post aqui).

Acho que é isso gente, se ficou alguma dúvida, por favor, deixe no espaço para comentários abaixo!

Beijos, @tripsdg


TripsDG

O TripsDG é administrado pelo casal Deborah e Gabriel. Apaixonados por viagens, novas experiências e uma boa culinária estão sempre em busca do próximo destino e do próximo restaurante.

Comentários